Mover um site com mudanças no URL

Este artigo descreve como mudar os URLs de páginas existentes do seu site com o mínimo de impacto nos resultados da Pesquisa Google. Exemplos desse tipo de mudança de site incluem os seguintes:

  • Alterações de URL de HTTP para HTTPS
  • Alterações de nome de domínio, como example.com para example.net, ou fusão de vários domínios ou nomes do host
  • Alterações nos caminhos do URL: de example.com/page.php?id=1 para example.com/widget ou de example.com/page.html para example.com/page.htm

Visão geral

  1. Leia as informações básicas sobre mudanças de site. Saiba o que esperar e como isso pode afetar os usuários e classificações. Se você estiver mudando de HTTP para HTTPS, leia as práticas recomendadas para HTTPS.
  2. Prepare o novo site e teste-o por inteiro.
  3. Prepare um mapeamento de URL com os URLs atuais para o novo formato correspondente.
  4. Inicie a mudança do site configurando o servidor para redirecionar dos URLs antigos para os novos.
  5. Monitore o tráfego nos URLs antigos e novos.

Perguntas frequentes para todas as mudanças de site com alterações de URL

  • O Google recomenda mudar tudo de uma vez ou posso fazer isso em partes?
    É possível fazer mudanças em partes.
  • Como faço para testar quantas páginas foram indexadas?
    Verifique os dados de cada propriedade separadamente no Search Console. Use o relatório de status do índice para ter uma perspectiva mais ampla. Use o Relatório de sitemaps para verificar quantos URLs enviados em um sitemap foram indexados.
  • Quanto tempo leva para o Google reconhecer as alterações de URL?
    Não há frequências de rastreamento fixas. Isso dependerá do tamanho do site e da velocidade de rastreamento possível. Um URL é movido de cada vez.
  • Perco crédito de links quando redireciono para novos URLs?
    Não, os redirecionamentos 301 ou 302 não causam perda de PageRank.

Migrar de HTTP para HTTPS

  • Leia as práticas recomendadas sobre HTTPS.
  • Adicione a propriedade HTTPS ao Search Console. Ele lida com o HTTP e o HTTPS separadamente, e os dados dessas propriedades não são compartilhados no Search Console. Por isso, se você tiver páginas em ambos os protocolos, precisará ter uma propriedade separada no Search Console para cada um deles.
  • Veja mais Perguntas frequentes sobre migração de páginas de HTTP para HTTPS:

    Perguntas frequentes sobre a migração de HTTP para HTTPS

    Essa migração de HTTPS afetará a classificação?

    Assim como em todas as migrações, é possível que a classificação oscile durante o processo. No entanto, recomendamos que você leia as informações sobre práticas recomendadas para páginas HTTPS e evite erros específicos de HTTPS.

    Sites com HTTPS têm uma pequena otimização na classificação, mas talvez essa diferença não seja significativa. O Google usa o HTTPS como um sinal positivo de classificação. No entanto, ele é somente um entre vários sinais e, no momento, tem menos importância que a qualidade do conteúdo do site. Por isso, não espere grandes melhorias na SEO como resultado em curto prazo de uma mudança para HTTPS. Em longo prazo, é possível que o Google aumente a otimização por HTTPS.

    Posso mudar somente algumas páginas para HTTPS?

    Sim. Comece com uma parte, teste e depois continue no seu próprio ritmo.

    Se você estiver migrando de HTTP para HTTPS em partes e quiser evitar a indexação precoce dos URLs, use rel=canonical em vez de redirecionamentos. Se você usar redirecionamentos, não poderá testar as páginas redirecionadas.

    Que certificado o Google recomenda?

    A Pesquisa Google aceita qualquer certificado atual que seja aceito por navegadores modernos.

    As palavras-chave da rede de pesquisa são alteradas depois da mudança para HTTPS?

    Isso continuará igual com o HTTPS. Você ainda poderá ver consultas de pesquisa no Search Console.

    Tenho referências aos sitemaps HTTP no robots.txt. Preciso atualizar o robots.txt para incluir os novos sitemaps HTTPS?

    Recomendamos usar arquivos robots.txt separados para HTTP e HTTPS. Cada arquivo robots.txt deve apontar para um arquivo de sitemap separado. Além disso, recomendamos listar cada URL específico no seu site em apenas um sitemap.

    Qual sitemap deve mapear a seção na versão de teste do HTTPS?

    É possível criar um sitemap separado somente para a seção atualizada do seu site. Com isso, você poderá rastrear a indexação da seção de teste de maneira mais precisa. No entanto, não crie cópias desses URLs em outros sitemaps.

    Os sitemaps deverão listar quais URLs se eu tiver redirecionamentos de HTTP para HTTPS ou vice-versa?

    Liste todos os URLs HTTP no seu sitemap HTTP e todos os URLs HTTPS no sitemap HTTPS, independentemente dos redirecionamentos feitos quando o usuário acessar a página. Isso ajuda os mecanismos de pesquisa a descobrir os novos URLs mais rapidamente.

    Existem outras informações específicas que preciso adicionar ao arquivo robots.txt para a versão HTTPS?

    Não.

    Deve haver compatibilidade com segurança de transporte restrito HTTP (HSTS, na sigla em inglês)?

    Embora seja mais segura, a HSTS aumenta a complexidade da estratégia de reversão. Leia as práticas recomendadas de HTTPS para mais informações.

    Uso um único sitemap do Google Notícias para todo o site. O que preciso fazer para migrar o site por partes?

    Se você quiser usar um sitemap do Google Notícias para a nova seção HTTPS, precisará entrar em contato com a equipe do Google Notícias e informá-la sobre a mudança de protocolo. Depois disso, na sua propriedade HTTPS do Search Console, envie um novo sitemap do Google Notícias conforme você migra cada seção do site para o HTTPS.

    Existe alguma recomendação específica para a Central do Editor do Google Notícias com a migração para HTTPS?

    A Central do Editor do Google Notícias lida com mudanças de HTTP para HTTPS de maneira transparente. Em geral, não há ações necessárias em relação ao Google Notícias, a menos que você também use sitemaps desse produto. Nesse caso, entre em contato com a equipe do Google Notícias e informe-a sobre a mudança. Também avise a equipe sobre alterações de seções. Por exemplo, caso você esteja mudando para HTTPS, especifique que moverá http://example.com/section para https://example.com/section.

Preparar o novo site

Os detalhes da preparação do site variam de acordo com cada mudança, mas normalmente você fará uma ou mais etapas a seguir:

  • Configure um novo sistema de gerenciamento de conteúdo (CMS) e adicione conteúdo a ele.
  • Transfira imagens e downloads (como documentos PDF) que você hospeda atualmente.
    Eles já podem estar recebendo o tráfego da Pesquisa Google ou dos links. Por isso, é útil informar aos usuários e ao Googlebot sobre a nova localização.
  • No caso de uma mudança para HTTPS, receba e configure os certificados TLS necessários no seu servidor.

Configurar um robots.txt para o novo site

O arquivo robots.txt de um site controla as áreas que o Googlebot pode rastrear. Verifique se as diretivas no arquivo robots.txt do novo site indicam corretamente as partes em que o rastreamento será bloqueado.

Alguns proprietários de site bloqueiam todo o rastreamento na etapa de desenvolvimento. Se você seguir essa estratégia, prepare a forma em que o arquivo robots.txt deverá estar quando a mudança do site for iniciada. Da mesma forma, se você usar diretivas noindex durante o desenvolvimento, prepare uma lista de URLs em que você removerá as diretivas noindex quando começar a mudança do site.

Fornecer erros para conteúdo excluído ou mesclado

Os URLs órfãos de conteúdos do site antigo que não serão transferidos para o novo precisam retornar um código de resposta de erro HTTP 404 ou 410. É possível retornar o código de resposta de erro no URL antigo, no painel de configuração do novo site, ou criar um redirecionamento para um novo URL e fazer com que ele retorne o código do erro HTTP.

Verificar se as configurações do Search Console estão corretas

Uma mudança de site bem-sucedida depende das configurações corretas e atualizadas do Search Console.

Verifique se você é o proprietário do site antigo e do novo no Search Console, caso ainda não tenha feito isso. Confira todas as variantes do site antigo e do novo. Por exemplo, você precisa verificar www.example.com e example.com e incluir as variantes de site HTTPS e HTTP se usar URLs HTTPS. Faça isso no site novo e no antigo.

Revisar a verificação do Search Console

Confirme se a verificação do Search Console continuará a funcionar depois da mudança do site. Se você usar um método diferente de verificação, tenha em mente que os tokens de verificação poderão ser diferentes quando o URL for alterado.

Se você estiver usando o método de arquivos HTML para verificar a propriedade do site no Search Console, não se esqueça de incluir o arquivo de verificação atual na nova cópia do site.

Da mesma forma, se você confirmar a propriedade com um arquivo de inclusão que se refere a uma metatag ou usa o Google Analytics para verificar a propriedade, verifique se a nova cópia de CMS também inclui esses itens.

Revisar as configurações definidas no Search Console

Se você mudou algumas das configurações no Search Console para o site antigo, confira se as configurações do novo site também foram atualizadas para refletir essas mudanças. Exemplo:

  • Parâmetros de URL: se você configurou os parâmetros de URL para controlar o rastreamento ou a indexação dos URLs antigos, confira se as configurações também se aplicam ao novo site, se necessário.
  • Segmentação geográfica: o site antigo pode ter uma segmentação por área geográfica explícita, como um domínio segmentado geograficamente ou um domínio de nível superior codificado por país (como .co.uk). Aplique a mesma configuração ao novo site se você quiser continuar segmentando para a mesma região. No entanto, se a mudança do site tiver sido planejada para expandir seus negócios globalmente, e você não quiser associá-lo a um país ou uma região, selecione Não listado na lista suspensa da página "Configurações do site".
  • Taxa de rastreamento: recomendamos não limitar a taxa de rastreamento do Googlebot no Search Console para URLs novos e antigos. Recomendamos que você não defina uma configuração de taxa de rastreamento. Só faça isso se você souber que o site não pode lidar com o volume de rastreamento do Googlebot. Se você já tiver limitado uma taxa de rastreamento do Googlebot para o site antigo, considere removê-la. O Google tem algoritmos que detectam automaticamente se a mudança de um site foi implementada. Além disso, alteramos o comportamento de rastreamento do Googlebot para que nossa indexação possa refletir rapidamente a mudança do site.
  • Backlinks rejeitados: se você tiver feito upload de um arquivo para rejeitar links no site antigo, recomendamos que você faça upload desse arquivo novamente usando a conta do Search Console do novo site.

Limpar o domínio adquirido recentemente

Se o novo site é para um domínio adquirido recentemente, recomendamos que você verifique se ele está livre de quaisquer questões pendentes do proprietário anterior. Verifique as seguintes configurações:

  • Ação manual por spam anterior: Para sites que não estão em conformidade com nossas Diretrizes para webmasters, o Google está preparado para realizar ações manuais, como rebaixá-los ou até mesmo removê-los dos resultados da pesquisa. Verifique a página "Ações manuais" no Search Console para ver se ações manuais foram aplicadas ao novo site e solucione quaisquer problemas listados nela antes de apresentar um pedido de reconsideração.
  • URLs removidos: confira se não há remoções de URL pendentes do proprietário anterior, especialmente remoções de URL em todo o site. Além disso, antes de enviar pedidos de remoção de URL para o conteúdo, você precisa entender quando não usar a ferramenta de remoção de URL.

Use a análise da Web

Durante uma mudança de site, é importante analisar o uso do site antigo e do novo. O software de análise da Web pode ajudar com isso. Normalmente, a configuração da análise da Web é composta por um trecho de JavaScript incorporado nas suas páginas. Os detalhes para o rastreamento de diferentes sites variam de acordo com o software de análise e as configurações de registro, processamento ou filtragem. Consulte seu fornecedor de software de análise para mais ajuda. Além disso, se você planeja fazer mudanças de configuração no software de análise, este é um bom momento. Caso você use o Google Analytics, considere criar um novo perfil para o novo site se quiser uma separação total nos relatórios de conteúdo.

O servidor precisa ter recursos de computação suficientes

Após migrações, o Google rastreia o site novo com mais frequência do que o normal. Isso ocorre porque o tráfego do site antigo é redirecionado para o novo. Assim os rastreamentos do site antigo são levados ao novo, além de outros rastreamentos. A capacidade do site novo precisa ser suficiente para lidar com o aumento do tráfego do Google.

Atualizar o Marcador de dados

Se você usou o Marcador de dados para mapear as páginas antigas, refaça o mapeamento no site novo.

Quando as páginas HTTPS estiverem prontas, atualize os links que abrem as páginas da Web em um app quando exibidos nos resultados da Pesquisa Google. Atualize esses links de modo que eles apontem para os novos URLs HTTPS. Os redirecionamentos não funcionarão para esses links. Os cliques em navegadores para dispositivos móveis abrirão a página no navegador, e não no app, a menos que você atualize o tratamento de links para apps.

É importante mapear os URLs do site antigo para os URLs do novo site. Esta seção descreve uma série de abordagens gerais que podem ser adotadas para avaliar corretamente os URLs nos dois sites e facilitar o mapeamento. Os detalhes exatos sobre como gerar esse mapeamento variam de acordo com sua infraestrutura de site atual e com os detalhes da mudança de site.

Preparar o mapeamento de URL

É importante mapear os URLs do site antigo para os URLs do novo site. Esta seção descreve uma série de abordagens gerais que podem ser adotadas para avaliar corretamente os URLs nos dois sites e facilitar o mapeamento. Os detalhes exatos sobre como gerar esse mapeamento variam de acordo com sua infraestrutura de site atual e com os detalhes da mudança de site.

1. Determinar seus URLs atuais

Em mudanças de site mais simples, pode não ser necessário gerar uma lista dos seus URLs atuais. Por exemplo, será possível usar um redirecionamento do lado do servidor curinga se você estiver mudando o domínio do site (como mudar de example.com para example.net).

Em mudanças de site mais complexas, será preciso gerar uma lista de URLs antigos e mapeá-los para os novos destinos. A forma como você monta uma lista de URLs antigos depende da configuração do site atual, mas estas são algumas dicas úteis:

  • Comece com os URLs importantes. Para encontrá-los, faça o seguinte:
    • Procure nos sitemaps, porque é provável que os URLs mais importantes tenham sido enviados ao Search Console dessa maneira.
    • Verifique seus registros do servidor ou software de análise para ver os URLs que geram a maior parte do tráfego.
    • Confira o recurso Links para seu site no Search Console para ver as páginas que têm links internos e externos.
  • Use seu sistema de gerenciamento de conteúdo, que normalmente ajuda a conseguir uma lista com todos os URLs que hospedam conteúdo.
  • Verifique os registros do servidor para ver os URLs que foram visitados pelo menos uma vez recentemente. Escolha um período que faça sentido para o contexto do site, tendo em conta a variação sazonal do tráfego.
  • Inclua imagens e vídeos: inclua URLs de conteúdo incorporado nos planos de mudança do site: vídeos, imagens, JavaScript e arquivos CSS. Esses URLs precisam ser movidos da mesma forma como todos os outros conteúdos no seu site.

2. Criar um mapeamento dos URLs antigos para os novos

Depois de ter a lista dos URLs antigos, decida para onde cada um deles deve redirecionar. A forma como você armazena esse mapeamento depende dos seus servidores e da mudança do site. É possível usar um banco de dados ou configurar algumas regras de regravação de URL no seu sistema para padrões comuns de redirecionamento.

3. Atualizar todos os detalhes do URL

Depois de definir o mapeamento de URL, três coisas podem ser feitas para preparar as páginas para a mudança.

  1. Atualizar anotações no HTML ou na entrada de sitemaps para cada página:
    1. Cada URL de destino precisa ter uma tag rel="canonical" <link> de autorreferência.
    2. Se o site movido tiver páginas multilíngues ou multinacionais com as anotações rel-alternate-hreflang, atualize as anotações para usar os novos URLs.
    3. Se o site movido tiver uma contraparte móvel, atualize as anotações rel-alternate-media. Saiba mais em nossas diretrizes de sites para smartphones.
  2. Atualizar links internos
    No novo site, mude os links internos dos URLs antigos para os novos. É possível usar o mapeamento gerado anteriormente para ajudar a encontrar e atualizar os links conforme necessário.
  3. Criar e salvar o sitemap e as listas de links
    Salve as seguintes listas para a mudança final:
    • Um arquivo do sitemap contendo os novos URLs no mapeamento
    • Um arquivo de sitemap contendo os URLs antigos no mapeamento
    • Uma lista de sites com vínculo para seu conteúdo atual

    Saiba mais sobre sitemaps.

4. Configurar os redirecionamentos 301

Depois de ter um mapeamento e de o site estar pronto, a próxima etapa é configurar redirecionamentos 301 HTTP no seu servidor dos URLs antigos para os URLs novos, conforme indicado no mapeamento.

Lembre-se do seguinte:

  • Use redirecionamentos 301 HTTP. Embora o Googlebot seja compatível com vários tipos de redirecionamentos, recomendamos que você use redirecionamentos 301 HTTP se possível.
  • Evite redirecionamentos em cadeia. Embora o Googlebot e os navegadores possam seguir uma "cadeia" de vários redirecionamentos (por exemplo, Página 1 > Página 2 > Página 3), recomendamos redirecionar para o destino final. Se isso não for possível, mantenha baixo o número de redirecionamentos na cadeia, de preferência em não mais do que três, mas no máximo cinco. Os redirecionamentos em cadeia aumentam a latência para os usuários, e nem todos os navegadores conseguem redirecionar cadeias longas.
  • Teste os redirecionamentos. Use a Ferramenta de inspeção de URL para testar URLs individuais ou use scripts ou ferramentas de linha de comando para testar grandes números de URLs.

Iniciar a mudança do site

Quando o mapeamento do URL estiver preciso e os redirecionamentos estiverem funcionando, a mudança já poderá ser realizada.

  1. Decida como você quer mover o site, de uma só vez ou em partes:
    • Sites pequenos ou médios: recomendamos mover todos os URLs do site ao mesmo tempo, em vez de fazer a mudança de uma seção de cada vez. Isso facilita a interação dos usuários com o site em sua nova forma, além de ajudar nossos algoritmos a detectar a mudança do site e a atualizar o índice mais rápido.
    • Sites grandes: é possível mover sites grandes por partes. Com isso, o monitoramento, a detecção e a solução de problemas podem ficar mais rápidos.
  2. Atualize os arquivos robots.txt:
    • No site antigo, remova todas as diretivas robots.txt. Isso permite que o Googlebot detecte todos os redirecionamentos para o novo site e atualize nosso índice.
    • No novo site, verifique se o arquivo robots.txt permite qualquer tipo de rastreamento. Isso inclui o rastreamento de imagens, CSS, JavaScript e outros recursos de página, exceto os URLs que você quer excluir do rastreamento.
  3. Configure o site antigo para redirecionar os usuários e o Googlebot ao novo site com base no mapeamento de URL.
  4. Envie uma Alteração de endereço no Search Console para o site antigo..
  5. No site antigo, envie os dois sitemaps preparados anteriormente com os URLs antigos e novos. Isso ajuda nossos rastreadores a detectar os redirecionamentos dos URLs antigos para os novos e facilita a mudança do site.
  6. Mantenha os redirecionamentos pelo maior tempo possível. Considere mantê-los indefinidamente. No entanto, os redirecionamentos são lentos para os usuários. Por isso, procure atualizar seus links próprios e os links de grande volume de outros sites de modo que eles apontem para o novo URL.

O tempo que o Googlebot e nossos sistemas levam para detectar e processar todos os URLs na mudança do site varia de acordo com a velocidade dos seus servidores e do número de URLs envolvidos. Como regra geral, a maioria das páginas de um site de médio porte é movida em algumas semanas, enquanto os sites maiores precisam de mais tempo. A velocidade com que o Googlebot e nossos sistemas detectam e processam os URLs movidos depende do número de URLs e da velocidade do servidor.

Imediatamente após começar a mudança do site, procure atualizar o maior número possível de links de entrada para melhorar a experiência do usuário e reduzir a carga do servidor. São eles:

  • links externos: tente entrar em contato com os sites vinculados com seu conteúdo atual, solicitando a atualização dos links que levam ao site. Pode ser útil priorizar essa tarefa de acordo com o número de visitas recebidas de cada link;
  • links de perfil, como os do Facebook, Twitter e LinkedIn;
  • campanhas publicitárias que levem às novas páginas de destino.

Monitorar o tráfego

Depois de iniciar a mudança do site, monitore como o tráfego do usuário e do rastreador mudam no novo site e no antigo. O ideal é que o tráfego do site antigo caia e o do novo aumente. Você pode monitorar a atividade do usuário e do rastreador em sites com o Search Console e outras ferramentas.

Usar o Search Console para monitorar o tráfego

Muitos recursos do Search Console ajudam a monitorar a mudança do site, incluindo os seguintes:

  • Sitemaps: envie os dois sitemaps que você salvou antes no mapeamento. Inicialmente, o sitemap que contém os novos URLs não tem páginas indexadas, enquanto o sitemap dos URLs antigos tem muitas páginas indexadas. Com o tempo, o número de páginas indexadas no sitemap dos URLs antigos cairá para zero, enquanto há um aumento correspondente na indexação dos novos URLs.
  • Relatório de cobertura do índice: os gráficos refletem a mudança do site, apresentando uma queda nos números de URLs indexados do site antigo e um aumento nas indexações do novo site. Verifique regularmente se há erros de rastreamento inesperados.
  • Consultas de pesquisa: conforme mais páginas do novo site são indexadas e recebem classificações, os relatórios de consultas de pesquisa passam a mostrar os URLs do novo site recebendo impressões e cliques de pesquisa.

Usar outras ferramentas para monitorar o tráfego

Fique de olho no seu acesso ao servidor e nos registros de erro, verificando, em especial, o rastreamento pelo Googlebot, quaisquer URLs que retornem inesperadamente códigos de status de erro HTTP e o tráfego normal de usuários.

Se você instalou algum software de análise da Web no seu site ou se o CMS fornecer esse tipo de análise, também é recomendável analisar o tráfego dessa forma para ver o progresso do tráfego do site antigo para o novo. Em particular, o Google Analytics oferece relatórios em tempo real, e esse é um recurso útil durante a fase inicial de mudança do site. O esperado é que o tráfego diminua no site antigo e aumente no novo.

Resolver problemas na mudança do site

Veja aqui alguns erros comuns ao migrar um site com alterações de URL (incluindo HTTP para HTTPS). Esses erros podem impedir que o novo site seja totalmente indexado.

Erros comuns

Bloqueios de noindex ou robots.txt

É preciso remover todos os bloqueios de noindex ou robots.txt necessários somente para a migração.

Não é necessário ter um arquivo robots.txt no site, mas é preciso retornar rapidamente um erro 404 adequado caso o arquivo seja solicitado, mas não fornecido.

Teste:

  • Examine o arquivo robots.txt no seu site HTTPS e veja se algo precisa ser mudado.
  • Use a Ferramenta de inspeção de URL em todas as páginas que o Google não encontrar no novo site.

Redirecionamentos incorretos

Confira os redirecionamentos do site antigo para o novo. Muitas vezes, eles levam a URLs errados (inexistentes) no novo site.

Outros erros de rastreamento

Examine o Relatório de cobertura do índice em busca de aumentos em outros erros no novo site durante os eventos da migração.

Capacidade insuficiente

Após migrações, o Google rastreia o site novo com mais frequência do que o normal. Isso ocorre porque o tráfego do site antigo é redirecionado para o novo. Assim os rastreamentos do site antigo são levados ao novo, além de outros rastreamentos. A capacidade do site precisa ser suficiente para lidar com o aumento do tráfego do Google.

Se você abrir as páginas da Web em um app, atualize os links dele para os novos URLs antes de implementar os redirecionamentos das páginas antigas às novas. Caso contrário, o Google não sugerirá o uso do app para abrir os novos URLs nos resultados da pesquisa e levará os usuários ao site no navegador.

Sitemaps desatualizados

Verifique se os sitemaps estão todos atualizados com os novos URLs.

Marcador de dados desatualizado

Se você tiver usado o Marcador de dados para mapear as páginas antigas, será preciso refazer os mapeamentos do novo site.