Criar e registrar um esquema

Um esquema do Google Cloud Search é uma estrutura JSON que define os objetos, as propriedades e as opções a serem usados na indexação e na consulta de dados. O conector de conteúdo lê os dados do repositório e, com base no esquema registrado, estrutura e indexa os dados.

Para criar um esquema, forneça um objeto de esquema JSON à API e registre-o. É necessário registrar um objeto de esquema para cada repositório antes de indexar os dados.

Neste documento, são abordados os conceitos básicos sobre criação de esquemas. Para mais informações sobre como ajustar um esquema para melhorar a experiência de pesquisa, consulte Melhorar a qualidade da pesquisa.

Criar um esquema

Veja a seguir a lista de etapas para criar um esquema do Cloud Search:

  1. Identificar o comportamento esperado do usuário.
  2. Inicializar uma fonte de dados.
  3. Criar um esquema.
  4. Concluir a amostra do esquema.
  5. Registrar o esquema.
  6. Indexar os dados.
  7. Testar o esquema.
  8. Ajustar o esquema.

Identificar o comportamento esperado do usuário

Prever os tipos de consultas que os usuários farão ajudará a determinar a direção da sua estratégia para criar o esquema.

Por exemplo, com relação a um banco de dados de filmes, é provável que um usuário faça uma consulta como "Mostre todos os filmes estrelados por Robert Redford". Portanto, seu esquema precisa aceitar resultados de consultas com base em "todos os filmes com um ator específico".

Para definir o esquema de modo que ele reflita os padrões comportamentais dos usuários, realize as seguintes tarefas:

  1. Avalie um conjunto diversificado de consultas desejadas de usuários diferentes.
  2. Identifique os objetos que talvez sejam usados nas consultas. Objetos são conjuntos lógicos de dados relacionados, como um filme em um banco de dados de filmes.
  3. Identifique as propriedades e os valores que compõem o objeto e talvez sejam usados nas consultas. Propriedades são os atributos indexáveis do objeto e podem incluir valores primários ou outros objetos. Por exemplo, um objeto "movie" pode ter propriedades como o título do filme e a data de lançamento como valores primários. O objeto "movie" também pode conter outros objetos, como membros do elenco, que têm as próprias propriedades, como nome ou papel.
  4. Identifique exemplos de valores válidos de propriedades. Valores são os dados reais indexados de uma propriedade. Por exemplo, o título de um filme no banco de dados pode ser "Os Caçadores da Arca Perdida".
  5. Determine as opções de ordenação e classificação que os usuários querem. Por exemplo, ao consultar filmes, talvez os usuários queiram classificá-los por ordem cronológica e nota de avaliação do público, sem a necessidade de listá-los em ordem alfabética por título.
  6. Faça uma lista desses objetos, propriedades e valores de exemplo que podem ser usados nas pesquisas. Para mais detalhes sobre como essa lista será usada, consulte a seção Definir opções do operador.

Inicializar uma origem de dados

Uma origem de dados representa os dados de um repositório que foi indexado e armazenado no Google Cloud. Para instruções sobre como inicializar uma origem de dados, consulte Gerenciar origens de dados de terceiros.

Os resultados das pesquisas de usuários são retornados da origem de dados. Quando um usuário clica em um resultado de pesquisa, o Cloud Search o direciona para o item real usando o URL fornecido na solicitação de indexação.

Definir os objetos

A unidade fundamental de dados em um esquema é o objeto, também chamado de "objeto de esquema", que é uma estrutura lógica de dados. Em um banco de dados de filmes, uma estrutura lógica de dados é "movie". Outro objeto pode ser "person", para representar o elenco e a equipe envolvidos no filme.

Cada objeto em um esquema tem uma série de propriedades ou atributos que o descrevem, como o título e a duração de um filme ou o nome e a data de nascimento de uma pessoa. As propriedades de um objeto podem incluir valores primários ou outros objetos.

A Figura 1 mostra os objetos "movie" e "person" e as propriedades associadas a eles.

Desenho das conexões do esquema entre entidades
Figura 1. Uma amostra de esquema com dois objetos e um subobjeto.

Um esquema do Cloud Search é, essencialmente, uma lista de instruções de definição de objetos definidas na tag objectDefinitions. O snippet de esquema a seguir mostra as instruções objectDefinitions dos objetos de esquema "movie" e "person".

{
      "objectDefinitions": [
        {
          "name": "movie",
          ...
        },
        {
          "name": "person",
          ...
        }
      ]
    }
    

Ao definir um objeto de esquema, forneça um name para o objeto que seja único dentre todos os outros no esquema. Normalmente, usa-se um valor de name que descreva o objeto, como movie para um objeto "movie". O serviço de esquema usa o campo name como um identificador de chave de objetos indexáveis. Para mais informações sobre o campo name, consulte Definição de objetos.

Definir propriedades de objetos

Conforme especificado na referência a ObjectDefinition, o nome do objeto é seguido por um conjunto de options e uma lista de propertyDefinitions. As options podem também consistir freshnessOptions e displayOptions. As freshnessOptions são usadas para ajustar a classificação da pesquisa com base na atualização de um item. As displayOptions são usadas para definir se propriedades e rótulos específicos são exibidos nos resultados da pesquisa de um objeto.

Na seção propertyDefinitions, você define as propriedades de um objeto, como o título do filme e a data de lançamento.

O snippet a seguir mostra o objeto movie com duas propriedades: movieTitle e releaseDate.

{
      "objectDefinitions": [
        {
          "name": "movie",
          "propertyDefinitions": [
            {
              "name": "movieTitle",
              "isReturnable": true,
              "textPropertyOptions": {
                "retrievalImportance": { "importance": "HIGHEST" },
                "operatorOptions": {
                  "operatorName": "title"
                }
              },
              "displayOptions": {
                "displayLabel": "Title"
              }
            },
            {
              "name": "releaseDate",
              "isReturnable": true,
              "isSortable": true,
              "datePropertyOptions": {
                "operatorOptions": {
                  "operatorName": "released",
                  "lessThanOperatorName": "releasedbefore",
                  "greaterThanOperatorName": "releasedafter"
                }
              },
              "displayOptions": {
                "displayLabel": "Release date"
              }
          ...
          ]
        }
      ]
    }
    

A PropertyDefinition consiste nos seguintes itens:

  • Uma string name
  • Uma lista de opções independentes de tipo, como isReturnable no snippet anterior
  • Um tipo e as opções específicas associadas, como textPropertyOptions e retrievalImportance no snippet anterior
  • Uma operatorOptions, que descreve como a propriedade é usada como um operador de pesquisa
  • Uma ou mais displayOptions, como displayLabel no snippet anterior

O name de uma propriedade precisa ser único no objeto que a contém. No entanto, é possível usar o mesmo nome em outros objetos e subobjetos. Na Figura 1, o título e a data de lançamento do filme foram definidos duas vezes: uma vez no objeto movie e novamente no subobjeto filmography do objeto person. Esse esquema reutiliza o campo movieTitle para aceitar dois tipos de comportamentos de pesquisa:

  • Mostrar resultados de filmes quando os usuários pesquisam o título de um filme.
  • Mostrar resultados de pessoas quando os usuários pesquisam o título de um filme em que um ator atuou.

Da mesma forma, o esquema reutiliza o campo releaseDate porque ele tem o mesmo significado para os dois campos movieTitle.

Ao desenvolver seu próprio esquema, pense em como seu repositório pode ter campos relacionados contendo dados que você queira declarar mais de uma vez no esquema.

Adicionar opções independentes de tipo

PropertyDefinition lista opções gerais de funcionalidade de pesquisa comuns a todas as propriedades, independentemente do tipo de dados.

  • isReturnable: indica se a propriedade identifica os dados a serem retornados nos resultados de pesquisa por meio da API Query. Todas as propriedades de exemplo de "movie" são retornáveis. É possível usar propriedades não retornáveis para pesquisar ou classificar resultados sem que sejam retornados ao usuário.
  • isRepeatable: indica se vários valores são permitidos para a propriedade. Por exemplo, um filme tem apenas uma data de lançamento, mas pode ter vários atores.
  • isSortable: indica que a propriedade pode ser usada para classificação. Essa opção não pode ser true para propriedades que são repetíveis. Por exemplo, os resultados de filmes podem ser classificados por data de lançamento ou nota do público.
  • isFacetable: indica que a propriedade pode ser usada para gerar atributos. Um atributo é usado para refinar os resultados da pesquisa: o usuário vê os resultados iniciais e depois adiciona critérios ou atributos para refinar ainda mais os resultados. Essa opção não pode ser true para propriedades com o tipo objeto, mas isReturnable precisa ser true para definir essa opção. Por fim, essa opção é compatível apenas com propriedades de enumeração, booleanas e de texto. Por exemplo, na nossa amostra de esquema, podemos transformar genre, actorName, userRating e mpaaRating em atributos para permitir que sejam usadas no refinamento interativo dos resultados da pesquisa.

Esses parâmetros gerais de funcionalidade de pesquisa são todos valores booleanos. Todos eles têm um valor padrão de false e precisam ser definidos como true para serem usados.

A tabela a seguir mostra os parâmetros booleanos definidos como true para todas as propriedades do objeto movie:

Propriedade isReturnable isRepeatable isSortable isFacetable
movieTitle true
releaseDate true true
genre true true true
duration true
actorName true true true
userRating true true
mpaaRating true true

As propriedades genre e actorName têm isRepeatable definido como true porque um filme pode pertencer a mais de um gênero e costuma ter mais de um ator. Uma propriedade não pode ser classificada se for repetível ou estiver contida em um subobjeto repetível.

Definir tipo

A seção de referência PropertyDefinition lista várias xxPropertyOptions, em que xx é um tipo específico, como boolean. Para definir o tipo de dados da propriedade, é necessário definir o objeto apropriado de tipo de dados. Definir um objeto de tipo de dados para uma propriedade estabelece o tipo de dados dessa propriedade. Por exemplo, definir textPropertyOptions para a propriedade movieTitle indica que o título do filme é do tipo texto. O snippet a seguir mostra a propriedade movieTitle com textPropertyOptions definindo o tipo de dados.

{
      "name": "movieTitle",
      "isReturnable": true,
      "textPropertyOptions": {
        ...
      },
      ...
    },
    

Uma propriedade pode ter apenas um tipo de dados associado. Por exemplo, no esquema de filmes apresentado, releaseDate só pode ser uma data (por exemplo, 2016-01-13) ou uma string (por exemplo, January 13, 2016), mas não ambas.

Veja a seguir os objetos de tipo de dados usados para especificar os tipos de dados para as propriedades na amostra de esquema de filmes:

Propriedade Objeto de tipo de dados
movieTitle textPropertyOptions
releaseDate datePropertyOptions
genre enumPropertyOptions
duration textPropertyOptions
actorName textPropertyOptions
userRating integerPropertyOptions
mpaaRating textPropertyOptions

O tipo de dados escolhido para propriedade depende dos casos de uso esperados. No cenário imaginado do esquema de filmes, espera-se que os usuários queiram classificar os resultados cronologicamente. Portanto, releaseDate é um objeto de data. Por exemplo, se houvesse um caso de uso esperado de comparação entre lançamentos de dezembro ao longo dos anos com lançamentos de janeiro, um formato de string seria útil.

Configurar opções específicas de tipo

A seção de referência PropertyDefinition contém links para as opções de cada tipo. A maioria das opções específicas de tipo é opcional, exceto a lista de possibleValues em enumPropertyOptions. Além disso, a opção orderedRanking permite classificar os valores em relação uns aos outros. O snippet a seguir mostra a propriedade movieTitle com textPropertyOptions definindo o tipo de dados e com a opção específica de tipo retrievalImportance.

{
      "name": "movieTitle",
      "isReturnable": true,
      "textPropertyOptions": {
        "retrievalImportance": { "importance": "HIGHEST" },
        ...
      },
      ...
    }
    

Veja a seguir outras opções específicas de tipo usadas na amostra de esquema:

Propriedade Tipo Opções específicas de tipo
movieTitle textPropertyOptions retrievalImportance
releaseDate datePropertyOptions
genre enumPropertyOptions
duration textPropertyOptions
actorName textPropertyOptions
userRating integerPropertyOptions orderedRanking, maximumValue
mpaaRating textPropertyOptions

Definir opções do operador

Além das opções específicas de tipo, cada tipo tem um conjunto de operatorOptions opcionais. Essas opções descrevem como a propriedade é usada como um operador de pesquisa. O snippet a seguir mostra a propriedade movieTitle com textPropertyOptions definindo o tipo de dados e com as opções específicas de tipo retrievalImportance e operatorOptions.

{
      "name": "movieTitle",
      "isReturnable": true,
      "textPropertyOptions": {
        "retrievalImportance": { "importance": "HIGHEST" },
        "operatorOptions": {
          "operatorName": "title"
        }
      },
      ...
    }
    

Cada operatorOptions tem um operatorName, como o title de um movieTitle. O nome do operador é o operador de pesquisa da propriedade. Um operador de pesquisa é o parâmetro real que você espera que os usuários usem ao restringir uma pesquisa. Por exemplo, para pesquisar filmes com base no título, o usuário digitaria title:movieName, em que movieName é o nome de um filme.

Os nomes de operador não precisam ser iguais ao nome da propriedade. Em vez disso, use nomes de operador que reflitam as palavras mais comuns usadas pelos usuários na sua organização. Por exemplo, se os usuários preferirem o termo "name" em vez de "title" como título do filme, defina o nome do operador como "name".

É possível usar o mesmo nome de operador em várias propriedades, contanto que todas elas sejam resolvidas para o mesmo tipo. Ao usar um nome de operador compartilhado durante uma consulta, todas as propriedades que usam esse nome são recuperadas. Por exemplo, suponha que o objeto "movie" tenha as propriedades plotSummary e plotSynopsis, e cada uma delas tenha um operatorName de plot. Enquanto as duas propriedades forem de texto (textPropertyOptions), uma única consulta usando o operador de pesquisa plot recuperará ambas.

Além de operatorName, as propriedades classificáveis podem ter os campos lessThanOperatorName e greaterThanOperatorName em operatorOptions. Os usuários podem usar essas opções para criar consultas baseadas em comparações com um valor enviado.

Por fim, textOperatorOptions tem um campo exactMatchWithOperator em operatorOptions. Se você definir exactMatchWithOperator como true, a string de consulta precisará corresponder ao valor inteiro da propriedade, e não apenas estar contida no texto. O valor de texto é tratado como um valor atômico nas pesquisas de operador e nas correspondências com atributos.

Por exemplo, pense em indexar objetos "Book" ou "Movie" com propriedades "genre". Os gêneros podem incluir "Science-Fiction", "Science" e "Fiction". Com exactMatchWithOperator definido como false ou omitido, pesquisar um gênero ou selecionar o atributo "Science" ou "Fiction" também retornaria resultados para "Science-Fiction". Isso ocorre porque o texto é tokenizado, e os tokens "Science" e "Fiction" estão presentes em "Science-Fiction". Quando exactMatchWithOperator é true, o texto é tratado como um único token. Portanto, "Science" e "Fiction" não corresponderão a "Science-Fiction".

Adicionar a seção displayOptions

Há uma seção displayOptions opcional no final de todas as seções propertyDefinition. Essa seção contém uma string displayLabel. O campo displayLabel é um rótulo de texto fácil de usar e recomendado para a propriedade. Se a propriedade estiver configurada para ser exibida usando ObjectDisplayOptions, esse rótulo será exibido na frente da propriedade. Se a propriedade estiver configurada para ser exibida e o campo displayLabel não estiver definido, apenas o valor da propriedade será exibido.

O snippet a seguir mostra a propriedade movieTitle com displayLabel definido como "Title".

{
      "name": "movieTitle",
      "isReturnable": true,
      "textPropertyOptions": {
        "retrievalImportance": { "importance": "HIGHEST" },
        "operatorOptions": {
           "operatorName": "title"
        }
    },
      "displayOptions": {
        "displayLabel": "Title"
      }
    },
    

Veja a seguir os valores de displayLabel para todas as propriedades do objeto movie na amostra de esquema:

Propriedade displayLabel
movieTitle Title
releaseDate Release date
genre Genre
duration Run length
actorName Actor
userRating Audience score
mpaaRating MPAA rating

Registrar o esquema

Para que dados estruturados sejam retornados nas consultas do Cloud Search, é necessário registrar seu esquema com o serviço de esquema do Cloud Search. Para registrar um esquema, você precisa usar o ID da origem de dados conseguido durante a etapa Inicializar uma origem de dados.

Use o ID da origem de dados para emitir uma solicitação UpdateSchema e registrar seu esquema.

Conforme detalhado na página de referência UpdateSchema, emita a seguinte solicitação HTTP para registrar o esquema:

    PUT https://cloudsearch.googleapis.com/v1/indexing/{name=datasources/*}/schema
    

O corpo da solicitação precisa conter o seguinte:

    {
      "validateOnly": // true or false,
      "schema": {
        // ... Your complete schema object ...
      }
    }
    

Use a opção validateOnly para testar a validade do esquema sem registrá-lo de fato.

Indexar os dados

Depois de registrar seu esquema, preencha a origem de dados usando chamadas de indexação. Normalmente, a indexação é feita no conector de conteúdo.

Usando o esquema de filmes, uma solicitação de indexação da API REST para um único filme teria a seguinte aparência:

    {
      "name": "datasource/<data_source_id>/items/titanic",
      "acl": {
        "readers": [
          {
            "gsuitePrincipal": {
              "gsuiteDomain": true
            }
          }
        ]
      },
      "metadata": {
        "title": "Titanic",
        "sourceRepositoryUrl": "http://www.imdb.com/title/tt2234155/?ref_=nv_sr_1",
        "objectType": "movie"
      },
      "structuredData": {
        "object": {
          "properties": [
            {
              "name": "movieTitle",
              "textValues": {
                "values": [
                  "Titanic"
                ]
              }
            },
            {
              "name": "releaseDate",
              "dateValues": {
                "values": [
                  {
                    "year": 1997,
                    "month": 12,
                    "day": 19
                  }
                ]
              }
            },
            {
              "name": "actorName",
              "textValues": {
                "values": [
                  "Leonardo DiCaprio",
                  "Kate Winslet",
                  "Billy Zane"
                ]
              }
            },
            {
              "name": "genre",
              "enumValues": {
                "values": [
                  "Drama",
                  "Action"
                ]
              }
            },
            {
              "name": "userRating",
              "integerValues": {
                "values": [
                  8
                ]
              }
            },
            {
              "name": "mpaaRating",
              "textValues": {
                "values": [
                  "PG-13"
                ]
              }
            },
            {
              "name": "duration",
              "textValues": {
                "values": [
                  "3 h 14 min"
                ]
              }
            }
          ]
        }
      },
      "content": {
        "inlineContent": "A seventeen-year-old aristocrat falls in love with a kind but poor artist aboard the luxurious, ill-fated R.M.S. Titanic.",
        "contentFormat": "TEXT"
      },
      "version": "01",
      "itemType": "CONTENT_ITEM"
    }
    

Observe como o valor de movie no campo objectType corresponde ao nome de definição do objeto no esquema. Ao combinar esses dois valores, o Cloud Search sabe qual objeto de esquema usar durante a indexação.

Observe também como a indexação da propriedade de esquema releaseDate usa as subpropriedades de year, month e day, que são herdadas pela propriedade porque ela é definida como um tipo de dados date por meio de dateProperyOptions. No entanto, como year, month e day não estão definidos no esquema, não é possível consultar uma dessas propriedades (por exemplo, year) individualmente.

Por fim, observe que a propriedade repetível actorName é indexada usando uma lista de valores.

Como identificar possíveis problemas de indexação

Os dois problemas mais comuns relacionados a esquemas e indexação são os seguintes:

  • A solicitação de indexação contém um objeto de esquema ou nome de propriedade que não foi registrado com o serviço de esquema. Esse problema faz com que a propriedade ou objeto seja ignorado.

  • A solicitação de indexação tem uma propriedade com um valor de tipo diferente do tipo registrado no esquema. Esse problema faz com que o Cloud Search retorne um erro no momento da indexação.

Testar o esquema com vários tipos de consulta

Antes de registrar seu esquema para um grande repositório de dados de produção, teste-o com um repositório de dados de teste menor. Com isso, você faz ajustes rapidamente no esquema e exclui os dados indexados, sem afetar um índice maior ou o índice de produção atual. Para o repositório de dados de teste, crie uma lista de controle de acesso (ACL, na sigla em inglês) que autorize apenas um usuário de teste para que outros usuários não vejam esses dados nos resultados da pesquisa.

Para criar uma interface que valide consultas de pesquisa, leia A interface de pesquisa.

Esta seção contém vários exemplos de consulta para você testar um esquema de filmes.

Testar com uma consulta genérica

Uma consulta genérica retorna todos os itens na origem de dados que contêm uma string específica. Em uma interface de pesquisa, execute uma consulta genérica em uma origem de dados de filmes digitando a palavra "titanic" e pressionando Return. Todos os filmes com a palavra "titanic" serão retornados nos resultados da pesquisa.

Testar com um operador

Adicionar um operador à consulta limita os resultados aos itens que correspondem ao valor dele. Por exemplo, use o operador actor para encontrar todos os filmes estrelados por um ator específico. Usando uma interface de pesquisa, é possível executar essa consulta de operador. Basta digitar um par operador=valor, como "actor:Zane", e pressionando Return. Todos os filmes com um ator chamado Zane serão retornados nos resultados da pesquisa.

Ajustar o esquema

Depois que o esquema e os dados estiverem em uso, continue a monitorar o que está dando certo ou não para os usuários. Ajuste seu esquema nas seguintes situações:

  • Indexação de um campo que não havia sido indexado anteriormente. Por exemplo, os usuários talvez pesquisem repetidamente filmes com base no nome do diretor. Neste caso, você poderia ajustar o esquema para aceitar esse nome como um operador.
  • Alteração dos nomes de operadores de pesquisa como base no feedback de usuários. Os nomes dos operadores precisam ser fáceis de usar. Se os usuários frequentemente usam um nome de operador incorreto, pense em alterá-lo.

Como realizar outra indexação após a alteração do esquema

Alterar qualquer um dos valores a seguir no esquema não exigirá uma nova indexação dos dados. Basta enviar uma nova solicitação UpdateSchema e o índice continuará funcionando:

  • Nomes de operador
  • Valores inteiros mínimos e máximos
  • Classificação ordenada de valores inteiro e de enumeração
  • Opções de frequência
  • Opções de exibição

No caso das alterações a seguir, os dados indexados anteriormente continuarão a funcionar de acordo com o esquema já registrado. No entanto, será necessário indexar novamente as entradas atuais para ver as alterações com base no esquema atualizado caso as seguintes alterações tenham sido feitas:

  • Inclusão ou remoção de uma propriedade ou um objeto novo
  • Alteração de isReturnable, isFacetable ou isSortable de false para true

Defina isFacetable ou isSortable como true apenas se você tiver uma necessidade e um caso de uso claros.

Alterações de propriedade não permitidas

Algumas alterações de esquema não são permitidas, mesmo se você indexar novamente os dados. O motivo disso é que elas podem corromper o índice ou produzir resultados de pesquisa insatisfatórios ou inconsistentes. Dentre as alterações proibidas incluem-se mudanças nos:

  • tipos de dados de propriedades;
  • nomes de propriedades.

No entanto, há uma maneira de contornar essa limitação.

Fazer uma alteração complexa no esquema

Para evitar alterações que geram resultados de pesquisa insatisfatórios ou corrompem o índice, o Cloud Search impede certos tipos de mudanças nas solicitações UpdateSchema após a indexação do repositório. Por exemplo, não é possível alterar o tipo de dados ou o nome de uma propriedade depois de definidos. Você não conseguirá fazer essas alterações por meio de uma simples solicitação UpdateSchema, mesmo se indexar novamente os dados.

Em situações em que é necessário fazer uma alteração não permitida no esquema, geralmente é possível fazer uma série de alterações permitidas que terão o mesmo efeito. Em geral, isso envolve primeiro migrar as propriedades indexadas de uma definição de objeto mais antiga para uma mais recente e, depois, enviar uma solicitação de indexação que usa apenas a propriedade mais nova.

Siga as etapas abaixo para alterar o tipo de dados ou o nome de um objeto:

  1. Adicione uma propriedade nova à definição de objeto no esquema. Use um nome diferente da propriedade que você quer alterar.
  2. Emita a solicitação UpdateSchema com a definição nova. Lembre-se de enviar o esquema inteiro, incluindo a propriedade nova e a antiga, na solicitação.
  3. Preencha o índice do repositório de dados. Para fazer isso, envie todas as solicitações de indexação usando a propriedade nova, mas não a propriedade antiga. Isso resultaria em uma contagem duplicada de consultas correspondentes.

    1. Durante o preenchimento da indexação, verifique a propriedade nova e defina como padrão a propriedade antiga para evitar um comportamento inconsistente.
    2. Após a conclusão do preenchimento, execute consultas de teste para verificar.
  4. Exclua a propriedade antiga. Emita outra solicitação UpdateSchema sem o nome da propriedade antiga e interrompa o uso dele nas futuras solicitações de indexação.

  5. Migre todos os usos da propriedade antiga para a propriedade nova. Por exemplo, se você alterar o nome da propriedade de "creator" para "author", atualize o código de consulta para usar "author" onde anteriormente ele fazia referência a "creator".

O Cloud Search mantém um registro de todas as propriedades ou objetos excluídos por 30 dias para impedir qualquer reutilização que cause resultados de indexação inesperados. Dentro desse período, é necessário migrar todos os usos da propriedade ou objeto excluído, além de omiti-los de futuras solicitações de indexação. Assim, se posteriormente você decidir restabelecer a propriedade ou o objeto, será possível fazê-lo de modo a manter a exatidão do índice.

Conhecer as limitações de tamanho

O Cloud Search impõe limites no tamanho de esquemas e objetos de dados estruturados. Esses limites são os seguintes:

  • O número máximo de objetos de nível superior é de 10 objetos.
  • A profundidade máxima de uma hierarquia de dados estruturados é de 10 níveis.
  • O número total de campos em um objeto é limitado a 1.000, o que inclui o total de campos primários mais a soma do número de campos em cada objeto aninhado.

A seguir

Veja a seguir algumas das próximas etapas:

  1. Crie uma interface de pesquisa para testar o esquema.

  2. Ajuste o esquema para melhorar a qualidade da pesquisa.

  3. Estruture um esquema para a interpretação ideal de consultas.

  4. Saiba como aproveitar o esquema _dictionaryEntry para definir sinônimos para termos comumente usados em sua empresa. Para usar o esquema _dictionaryEntry, consulte Definir sinônimos.

  5. Crie um conector.